Ibovespa vira para queda na contramão do exterior após novo adiamento da Previdência


Mercado acompanha discurso do presidente e melhora nas perspectivas em torno da guerra comercial


(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa vira para queda nesta terça-feira (24), descolando-se da alta nas bolsas internacionais. O que pressiona o índice é mais um adiamento da reforma da Previdência, que agora fica para a próxima semana segundo informou a assessoria da senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. 


Os investidores acompanharam também o discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Bolsonaro atacou a mídia e defendeu a política ambiental de seu governo, afirmando que nações estrangeiras violam a soberania brasileira ao dizer que a Amazônia é patrimônio de toda a humanidade. 


Às 11h11 (horário de Brasília), o Ibovespa caía 0,53% a 104.080 pontos.


Enquanto isso, o dólar comercial tem alta de 0,24% a R$ 4,18 na compra e a R$ 4,1807 na venda. O dólar futuro com vencimento em outubro avançava 0,25% a R$ 4,176.


No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 e para janeiro de 2023 sobem quatro pontos-base a 5,04% e cinco pontos-base a 6,17% respectivamente, em meio ao reforço das sinalizações de corte de juros na ata da última reunião do Copom e dados de inflação. 


De acordo com a equipe de análise da XP Política, apesar do Senado estar "plantando dificuldades" na aprovação da reforma, não há cenário em que a Previdência não termine sua tramitação em outubro.


Com esse último atraso, a proposta ainda pode ser votada na semana que vem no plenário e, na semana seguinte, ser avaliada novamente para que seja enviada � promulgação.


Lá fora, as falas do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, de que americanos e chineses devem voltar a conversar em duas semanas, melhoram o ambiente de negócios.


Mnuchin disse ainda que havia pedido � delegação chinesa que cancelasse visitas a fazendas do país na semana passada, ao contrário da versão que circulava antes, de que os chineses desistiram dos encontros por conta das declarações do presidente americano, Donald Trump.


O líder dos EUA afirmou no fim de semana não querer um acordo provisório ou só envolvendo o agronegócio com a China, mas algo completo e definitivo. 


Outro sinal positivo foi dado pela China com a encomenda de 600 mil toneladas de soja dos EUA, o que trouxe alívio nos temores sobre a guerra comercial. 


As bolsas da Inglaterra caem, após o Tribunal Superior do país avaliar como ilegal a decisão do governo do primeiro-ministro, Boris Johnson, de fechar o Parlamento por cinco semanas.


Por aqui, o Banco Central (BC) voltou a indicar nesta terça, por meio da ata do último encontro do Comitê, que "a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo (monetário)". Em outras palavras, a sinalização é de que cortes adicionais da Selic (a taxa básica de juros) devem ocorrer. 


Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,09% em setembro, ficando próximo � taxa de 0,08% registrada em agosto e praticamente em linha com o esperado pelos economistas consultados pela Bloomberg, de alta de 0,08%. 


Congresso e Economia

O Congresso Nacional se reúne em sessão conjunta hoje, às 15h, para votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano de 2020 (PLN 5/2019).


Será a quarta vez que o Congresso é convocado para analisar a LDO, sem a qual não é possível elaborar o orçamento do próximo ano. Dessa forma, a votação da reforma da Previdência, prevista inicialmente para hoje, será alterada para amanhã.


A LDO foi aprovada no início de agosto pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) e mantém a proposta original do Poder Executivo de reajuste do salário mínimo para R$ 1.040 em 2020, sem ganhos reais. O texto prevê para 2020 um déficit primário de R$ 124,1 bilhões para o governo central, montante inferior ao deste ano, de R$ 139 bilhões.


Estão na pauta do Congresso ainda 15 vetos presidenciais sobre leis sancionadas recentemente. Entre eles, destaca-se o que se refere � gratuidade para bagagens de até 23 quilos nos aviões a partir de 31 assentos e de vários trechos da lei de abuso de autoridade – que teve das 53 condutas tipificadas como abusivas, 23 vetadas.


Adicionalmente, os parlamentares vão votar a proposta que libera aproximadamente R$ 3 bilhões em emendas parlamentares, que serão usadas para obras e investimentos em suas bases eleitorais.


O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, vem sendo pressionado para votar a liberação dos recursos, como forma de garantir votos favoráveis � aprovação da reforma da Previdência.


Noticiário Corporativo

O Banco do Brasil (BBAS3) e o UBS assinaram memorando de entendimento para estabelecer uma parceria na prestação de serviços de banco de investimento e de corretora de valores no segmento institucional no Brasil e em determinados países da América do Sul. O objetivo é que o UBS seja acionista majoritário (50,01%) na parceria.


A plataforma da Petrobras (PETR3; PETR4) Cidade de Santos está parada desde quinta-feira devido a inconformidades identificadas por uma auditoria promovida pela Operação Ouro Negro, que realiza inspeções e fiscalizações em plataformas marítimas de produção de petróleo e gás natural. A produção diária da plataforma é de aproximadamente 8,5 mil barris de petróleo por dia.


A Petrobras informou ainda sobre uma ocorrência com a plataforma P-50, na Bacia de Campos, no campo de Albacora Leste, na noite de domingo, 22, quando houve o rompimento de amarra do sistema de ancoragem. Segundo comunicado, a produção foi preventivamente interrompida naquela ocasião. Por dia, a unidade produz em média 20 mil barris de petróleo.


O jornal Valor Econômico traz que o governo não mudou de ideia em relação a um projeto de lei que prevê a privatização da Eletrobras (ELET3). O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse � publicação que “mantém-se a ideia da capitalização”, mesmo após o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, alertar sobre os riscos da proposta não prosperar.


As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:


Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 CCRO3 CCR SA ON16,69-2,40+52,7418,57M
 ECOR3 ECORODOVIAS ON13,39-2,26+42,753,76M
 CSNA3 SID NACIONALON ED13,87-2,12+64,6232,98M
 BBAS3 BRASIL ON46,31-2,05+3,41100,55M
 USIM5 USIMINAS PNA7,97-1,97-12,0926,36M

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:


Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 JBSS3 JBS ON31,77+3,49+174,1598,72M
 BRFS3 BRF SA ON39,65+2,32+80,8090,54M
 MRFG3 MARFRIG ON11,20+1,45+105,1313,85M
 KROT3 KROTON ON11,53+0,87+31,4926,72M
 RADL3 RAIADROGASILON94,62+0,87+66,338,88M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

(Com Agência Estado, Agência Brasil, Agência Senado e Bloomberg)


Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!


fonte: InfoMoney
Back to Top